segunda-feira, 20 de setembro de 2010

ELEIÇÕES 2010: Depois do debate

Nas eleições para governador do estado do Pará de 2010 temos a compilação de antigos pesadelos e sonhos, políticos,sociais e econômicos, revestidos com uma roupagem moderna, mas com intenções permutativas de continuação e mudança do funcionamento da máquina estatal e das relações da máquina pública com a população.

Temos, do lado direito, os antigos algozes das pessoas mais humildes, representados pelos partidos do PSDB e do PMDB, com candidaturas de Simão Jatene e Domingos Juvenil, na meia esquerda, que faz bem o papel de médio central, o PT com a atual governadora, que poderia ter feito muito mais do que fez, Ana Júlia e na extrema esquerda Fernando Carneiro do PSOL e Cléber Rabelo do PSTU, representantes da emancipação do povo, das garras do latifúndio, da exploração econômica e da escravidão social.

Parece ou soa utopismo, porém é o retrato fiel do antagonismo das propostas de cada Partido para o modelo de Estado que deve ser implantado. Exemplo fiel é a concepção de propriedade defendida nos estatutos e projetos partidários.  numa extremidade a defesa de manutenção da propriedade privada e do outro a desapropriação das grandes terras que são improdutivas e seu repartilhamento com trabalhadores do campo e da cidade, não que neste último caso  acontecer, até porque a uma legislação federal que proíbe essas ações federativas, pois os estados são subordinados à Constituição do país, entretanto, revela a concepção de mundo que os diretórios dessas células sociais possuem.

Os pesadelos são a manutenção das enormes desigualdades sociais, a gigantesca falta de saneamento básico, abastecimento de água, rede de esgoto tratado, o péssimo retrato da educação e da saúde de nosso estado, estando muito além de seu potencial intelectual e formativo nessas áreas, inclusive, obtendo horríveis resultados em estudos de desempenho.

Então, temos que prestar atenção no que pretendemos para o nosso estado. Será que vamos permanecer com antigas mazelas ou daremos espaço para o triunfo de um sonho e uma esperança de igualdade, liberdade, democracia e, verdadeiramente, um avanço social e político?

sábado, 18 de setembro de 2010

Fernando Carneiro em debate na UEPA



O candidato do PSOL ao Governo do Estado, Fernando Carneiro, participou ontem (16/09)do debate entre os candidatos a governador do Pará, promovido pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UEPA.

Para um público de alunos e professores, Carneiro apresentou propostas para a área da educação e lamentou a ausência dos candidatos do PSDB, PT e PMDB no debate. “Queria que Jatene, Juvenil e Ana Júlia estivessem aqui para defender esse modelo de desenvolvimento que prioriza os grandes projetos na Amazônia e deixa apenas miséria e fome para o povo do Pará”, lamentou.

Segundo Carneiro, os indicadores socioeconômicos do Estado mostram que o modelo de desenvolvimento defendido pelo atual governo e pelos anteriores não melhorou a vida do povo. “Temos o segundo pior saneamento do país, estamos no último lugar do Ideb na área da educação, a saúde do Pará foi a que menos recebeu recursos do SUS e a violência aumentou em quase 200% nos últimos dez anos. Isto mostra que o atual modelo de desenvolvimento não está dando certo”, explicou.

Fernando Carneiro criticou, também, a atuação de empresas como a Vale do Rio Doce no Estado. “Os governos de Jatene e Ana Júlia ficaram de joelhos diante da Vale, ao fazerem renúncia fiscal e deixarem de arrecadar tributos das empresas. Com isso, falta dinheiro para a educação, saúde e outras áreas sociais”, afirmou.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

ELEIÇÕES 2010: Lula bem que tentou acelerar Ana Julia e Paulo Rocha!


Na tentativa de tentar impulsionar a campanha de Ana Julia e Paulo Rocha no estado. Ontem o senhor presidente da república esteve na capital paraense para "anunicar obras no estado".
O palco foi devidamente montado e, o que se viu foi um show de hipocrisia na aldeia Amazônica. Paulo Rocha defendeu sua almejada esperança de chegar ao senado e, Ana Julia de continuar sendo a governadora do Pará. Depois do longo discurso do "pobre" candidato Paulo Rocha, foi a vez de Ana Julia falar de seus eternos bilhões,milhões e etc, etc.... Que por sinal, o povo do estado do Pará nunca sentiu nem o cheiro de tanto dinheiro. Dai em diante entrou o presidente que começou falando dos 500 anos (segundo ele) de administração tucana no Brasil. Em resumo, falou o que centenas de militantes "porres" do PT e de alguns partidos aliados queriam ouvir. Também estava no grande palco, sua excelência o prefeito de Belém Duciomar Costa que, não deixou de receber uma discreta vaia de militantes do partido dos trabalhadores. Ao final, Lula declara se voto para presidente e, governador do Pará. 

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

ELEIÇÕES 2010: Perfil do Corrupto Jader Barbalho

Para quem já esqueceu das falcatruas realizadas pelo candidato a nosso Senador, Jader Barbalho, aqui vai o perfil dele no corruptômetro:
Política
Sua carreira política teve início sob a legenda do MDB, sendo que seu primeiro mandato político foi o de vereador em Belém no ano de 1966.
Formado em Direito na Universidade Federal do Pará pouco atuou como advogado, priorizando a política e sendo eleito deputado estadual em 1970 e deputado federal em 1974 e 1978.
Governador no Pará
Em 1982 foi eleito governador do Pará pelo PMDB, em parte graças ao apoio de uma dissidência do PDS liderada por Alacid Nunes. Após cumprir integralmente um mandato de quatro anos foi nomeado Ministro da Reforma Agrária pelo presidente José Sarney e a seguir Ministro da Previdência Social.
Em 1990 conquistou seu segundo mandato de governador do Pará e em 1994 se desincompatibilizou do mandato em favor do comunicador Carlos Santos, meses antes de ser eleito senador.
Senador
Assumiu o cargo no Senador em 1º de fevereiro de 1995. Na Câmara Alta do país foi líder do PMDB.
Em 1998, tentou voltar pela terceira vez como governador do Pará, mas foi derrotado na disputa em segundo turno por Almir Gabriel, que foi reeleito governador pelo PSDB. No mesmo ano, foi eleito presidente nacional do PMDB.
Escândalos
A partir de 2000 viveu a fase mais conturbada de seu mandato de senador graças aos intensos e acirrados debates travados contra o senador baiano Antônio Carlos Magalhães, então presidente da casa.
No bojo das discussões surgiram denúncias envolvendo Barbalho em casos de corrupção e enriquecimento ilícito, algo logo repercutido pela imprensa nacional e nem mesmo a eleição do paraense para a presidência do Senado Federal em 14 de fevereiro de 2001, arrefeceu a torrente de acusações e nem mesmo a renúncia de Antônio Carlos Magalhães (acusado de envolvimento no caso de violação do painel eletrônico de votações do Senado Federal) em 30 de maio daquele ano serviu de alento a Jader Barbalho.
Logo a seguir ele renunciaria à presidência do PMDB em favor do senador Maguito Vilela e se licenciaria da presidência do Senado Federal por sessenta dias, porém em 19 de setembro de 2001 sua renúncia ao cargo foi apresentada e em 5 de outubro Jader abdicou também de seu mandato de modo a impedir que o processo por quebra de decoro parlamentar instaurado contra ele pelo Conselho de Ética tivesse seqüência e, em caso de cassação, inabilitá-lo para o exercício de funções públicas por oito anos.
Com a recusa de seu pai, primeiro suplente, em ocupar sua cadeira, a vaga ficou nas mãos do segundo suplente Fernando Ribeiro.
Algum tempo depois de sua renúncia chegou a ser preso numa operação da Polícia Federal sob a acusação de desvio de dinheiro público.
Retorno como Deputado Federal
Apesar das denúncias, se candidatou e foi eleito deputado federal mais votado pelo Pará em 2002, com 344.018 votos e reeleito em 2006 com 311.526 votos, mantendo ainda considerável influência nos meios políticos paraenses e mesmo junto ao governo federal. Como exemplo de seu poderio integrou o conselho político que trabalhou a favor da reeleição do presidente Lula e articulou a candidatura de seu primo, José Priante, ao governo do Pará em 2006.
É isso aí, o voto é seu, mas os efeitos dele vão ser sentidos por todos nós!